AJOELHOU TEM QUE REZAR

Em tempos de liquidez e quebra do mundo particular, torna-se latente a necessidade de escancarar o que

está dentro de nós 

como mulheres atuantes . 

Gritar e não ter receio da resposta. 

Assim como se 

estiver na chuva é para se molhar, 

se ajoelhou, tem que rezar! 

A não conformidade e a quebra do padrão marcam a trajetória das artistas que há 15 anos se reúnem em projetos coletivos paralelos aos seus individuais.

 

Neste projeto BETH TURKIENIEZ, ELAINE GOMES E PATRÍCIA KAUFMANN expõem fragmentos do cotidiano, indagações, sentimentos, angústias, questionamentos e momentos que habitam seus interiores, únicos e particulares, mas também universais e compartilhados.

Em “Ajoelhou tem que rezar”, as artistas trabalham a partir de chapas de madeira de 40X40cm, construindo uma unidade, um único corpo onde o suporte é o ponto de partida. 

Optou-se por não identificar as obras, diluindo a autoria e assumindo a forma de uma colcha de retalhos que convida o espectador, junto às artistas,

dar um novo significado ao que está exposto.

                                                                          Mônica Filgueiras Galeria  set/2018

1/2

2016 by Elaine Gomes